domingo, 31 de janeiro de 2010

Quietude



Na quietude das palavras
na traquilidade delas
Espreitava-me um ruído
inquieto
sílabas barulhentas de prazer
esfregando lembranças
na Pele.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

uma história pra contar


Trazia na  Bagagem Antiga  um embrulho com fitas uma história colorida, tantas letras desenhadas
de Emoções que agitavam Lembranças
 memórias de alegrias  cintilantes e Esperança.
Onde brevemente para Eo Felicidade lacunas preenchiam entre amor como A Noite e outra Noite. Localidade: Não sabia que não era Rosto dar um Sorriso, Esperava que Fosse um SUA ou Seu Sorriso Bagagem Realidade uma SUA, SUA chegada jogo ou.
Localidade: Não importava ou Tempo, ou Relógio, Esperava ali, ou atraso Esperava fazer VOO. Ali Permaneceu esperado que fazer a seguir VOO. Nas Mãos Segurava Abstrato utópico Quase hum Sentimento especial Absolutamente nada.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Amante do Vento.




Eu PES tocavam ou verde dá relva sentado soluço da Noite uma sombra, uma leve brisa parecia Tão carinho de sopro hum nd Pele. Céu wk Estrelas, Nuvens abraçadas orgia pintavam núcleos los Sonhos da Noite na roupa. Rua los Meio um galpão Solidão.
Senti Beijo do Vento ou não Ombro percorrendo MEUS Braços das Pernas AO Longo, e como macios lábios de Pescoço, eu seios intumescidos TEUs AO jogar dois dedos. Dois MEUS Cabelos QUALQUÉR hum Seu cheiro almiscarado cio Quente arrancou suspiro. Um suspiro lembrado Longo dois lábios. Um entorpecente na rua Escuridão. Tornei-amante eu faço Vento.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Despertar


Deixe-me partir em busca de Mim
Pois me perdi nessa busca de Você.

Deixe-me recolher os fragmentos
Pois preciso entender meus sentimentos.

Deixe-me secar as lágrimas
Preciso enxergar um novo Horizonte.

Deixe-me partir
Para que eu possa
Ser Feliz.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Silêncio



Quisera Palavra gostam de ser assim Acorda TEUs
QUEM dera pudesse ter Mais Palavras tão bonito
A você concorda
QUANDO A Noite você envolverão
Brilho Gostava ser ou você ama despe
AINDA cegueira que escuridao NAS OS Olhos incertezas
Ilusão das Na Palavras como [em] verdades Vies da Razão
AINDA ASSIM desenlaço Palavras como duas linhas
Roubo-te das ou arroubo Lembranças
Em hum ritmo miseráveis ​​migalhas QUALQUÉR
Como Palavras debruam QUALQUÉR outra canção
De Na mesquinhez dois lábios fechados
Dois Punhos Apertados contra ou corporativa
Não cansaço Das Palavras
Ou gritar silêncios esperados.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Silêncio da Madrugada


O silêncio é a companhia que Noite após noite me abraça em nuvens de lembranças. Nessas noites a alma se veste de sonhos, te desenho no brilho dos desejos na loucura dos meus devaneios. Amo-te assim na imensidão da madrugada.

Estás aqui em cada instante dos teus silêncios, abraças-me o corpo com abraços de saudades, deslizas movimentos guardados no teu corpo em caricias trêmulas de teus lábios em êxtase. Faz-me Amor no silencio da realidade.

Nesse Silêncio nossa voz se faz de pensamentos, e nossos olhares navegam nas profundezas do nosso sentir, sorvemos o gosto doce da boca nesse beijo morno na Sombra da Noite. Libertamos-nos e assim nos Amamos.

Permanecemos abraçados envoltos na brisa quente desse instante embalados ao som da madrugada, na sombra ficamos e logo será manhã de Saudades.