quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

VaLeU!!!!


O SorRiso misturado com a incerteza
Sorrir ou choraR?
Valeu a certeza do Amor.

O abraço terno
Aquele apertado
Também o dado na
Distância. Valeu!

A palavra Amiga
Outras reflexivas
As caladas
As reticentes.
Valeu cada Palavra Tua!

A promessa
O Pedido
A espera
A espera
O Pedido
A Promessa! Valeu!

A noite
A Manhã
A Tarde
O Atalho
Outro dia, Valeu!

O Calor o Sol
O Frio a chuva
E a neblina e
Você, ora claro
ora quente, ora
Frio, ora...ora
Valeu!

Ver a estrela cadente
Perto do Mar
Pedras brancas e Pretas
Olhar na imensidão
O medo de (a)mAr.

Valeu a Paz!
Valeu a Busca!
Valeu Amar!
Valeu Amor!

Valeu o Ano que nos levou
Que por nos passou ou Nós
Que por ele passamos, Valeu!

Valeu Você Estar
Tão presente
Como um Presente. Valeu!

...VAleU...

(...digo que valeu! e valerá Sempre, Viver cada instante Intensamente e Desejo que Todos possam fazer 2011 Valer Viver! Paz e Luz! Obrigada!)

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Algo assim...


Há homens que Amam toda Vida
Outros atravessam o Oceano
Do Tempo para Amar
Há Homens que Amam
Um instante Apenas
Com a Intensidade de
Uma Eternidade!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

E lá fora Chove, Amor!


Faz silêncio nessa escuridão a Noite chove lá fora e dentro do peito os raios riscam, flamejam meus pensamentos, reflexos do Tempo que por nós Passou como tempestade de Verão.

Nessa noite meu corpo sente o frio da Solidão! Releio mensagens codificadas lembrando momentos fugazes, como raios clareando a escuridão, vêm à mente arrepios de tantas recordações.

Permaneço aqui, abraçada às memórias. A alma se desdobra e voa, nos encontramos em Nosso silêncio, na eternidade vazia do instante Presente. Percorremos caminhos antigos, nos tocamos nesses espaços de Sonhos.

A Vida recomeça lentamente nesse Reencontro. Nossa respiração compassada acaricia a pele em ondas de prazer, nossos lábios buscam no beijo o alimento que nos sustenta, nossas mãos se desprendem das amarras e percorrem a face em desenhos de Amor.

Nessa atmosfera deixamos fragrâncias almiscaradas do prazer que sonhamos.

E lá fora Chove, Amor!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Presença


Despida dos medos
Na penumbra
Recebo em meu corpo os raios da Lua
Cascata de Luar caindo
Envolvendo meu corpo
Como um manto de estrelas

Uma névoa suave vem ao encontro
Envolve meus Pensamentos
Meu corpo
Minha alma

Como uma mortalha fria e úmida
Beijando meu corpo
Suas gotas escorrem por mim
Misturam-se com a Luz
Dos meus desejos

Sozinha
Sinto a mistura das Sensações
Tua presença
Teu Perfume

O coração desejando
Tudo aquilo

Passamos!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Dias Assim


Entre um anoitecer e um amanhecer
Amanheço meus sentimentos abraçados aos teus
Anoiteço nos Teus sonhos Meus.

Acordamos outro Tempo
Saudades da Primavera
Lembranças do Inverno
Desejo das Manhãs!


Dançamos no Tempo
Partimos antes do Fim
Revivemos o Ritmo
De cada passo sem ensaio!

Vontade antiga de ficar
Abraçados ao Sonho
Ouvindo Nosso silêncio!

Dias de Presente
Nesse Tempo
Tão Presente!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Meditação





Busquei as vozes
Que falam em mim

Uma Luz ilumina
Os corredores sombrios
Dentro do meu Ser

Suavemente vou seguindo
Esse ritmo

Te procuro
Um pouco mais

Encontro

Um Universo de Palavras!

Uma LUz

Constelação de energia
Que sentimos!

O incenso envolve-me
Sutis aromas florais

Imensidade de prazer
Que me toca!

A música me abraça
Nesse momento
Presente
Tua presença.

Tua Voz
Dentro de Mim!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Monólogo


Amor

Tudo Segue

As Estações

O sorriso dos Dias

O
Colorido dos Beijos

O Horizonte Lilás
no fim do dia.

Se Puder

Sinta o que é Além
Dentro se puderes
Da Alma

Toque as flores
Dos sentimentos
Germinadas no Ventre

E depois se
Ainda não se importar
Com tudo que é tão
Simples

E se Puder
Simplesmente
AmE!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Jardim Secreto




Gostava de tantas coisas
Dessas que se podem sonhar
Chuva de leve na face
Ventos de Pensamentos.

Cheiro de Relva Molhada
Saudade desfolhada!

Casulos de Segredos que
Eclodem Coloridas Mariposas
Que escolhem jardins floridos
Desses que gosto de cultivar!

Gostava da Espera
Da Promessa de Voltar
Gostava do Olhar
Da Esperança de Chegar!

A Relva hoje molhada
Tem cheiro de Prazer
Jardim de Segredos
Mariposas e Flores coloridas
Guardam nuances de Você!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Fuga

Fugitivos

Refugiados

Abraçados no
Silêncio

Entre gemidos
Involuntários

Cada Um se
Refugiava no
Gemido do
Outro

Em um
Desespero de
Palavras.

Fugimos!

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Contemplação



Tão leve
Pende a flor
No galho
Azul sobre
Meu Olhar

Pistilos despontam
No veludo rosáceo
Entreaberto
Sobre meu olhar

Macia a beleza
Que a cobre
A ave observa

Ao meu olhar atento
Eu e Ela
Admiramos a mesma
Beleza!

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

um pouco




...não tínhamos muito, não tínhamos trilha sonora, não tínhamos um olhar de sonhos, sequer paixão, ilusões?
Não! Houve em nós um outro tempo, cativo em nossa infinita solidão.

...infinita também era a vontade que tínhamos de começar a sonhar, nos iludir, nos olhar, já tínhamos muito, faltava uma trilha sonora.

...ela foi feita de sons que não precisávamos verbalizar apenas sentir, o sopro quente da boca na pele ainda fria.

...esse Tempo de contemplação que os olhos suavemente engoliam, já não era solidão, e sim uma Presença constante, era o eixo que comportava tantas incógnitas.

...tínhamos agora uma equação, uma canção, um sonho, uma paixão,


Uma Ilusão!

sábado, 23 de outubro de 2010

Intersecção




Conjunto de Sentimento
Contido em cada Momento
Quando os corpos se Unem

Palavras
Anunciadas:
(Saudade que
Mata)

Um Conjunto
De Todos os Elementos
Que provocam Prazer.

Fantasias
Secretas!

Amor, um conjunto que
Existe porque Existe
O que está contido
Em um está contido
No Outro.

Trocamos nesse conjunto
A ordem das Palavras e
O sentido não se altera
É o mesmo.

As palavras que te dou
As mesmas de antes
Tão Nossas e Vibram o
Mesmo Sentido.


Nesse vão de Nós que se forma
Na ausência, Permanece a
Intersecção do que Carregamos
E ali naquele espaço

Nos Completamos!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Voz



A voz que me desperta
Tem o tom que despe!


Deixa-me
Nua!


A voz que me aperta
Tem o toque que me percorre
Em fogo!

Voz volátil Voz
Voa sobre meu corpo
Como se fora dedos!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Mosaico



Um pouco de Pensamento
Desejo de Você!

Um pouco de Desejo
Teu Pensamento em
Mim!

Juntamos pedaços coloridos
Dos sentimentos, Unimos e
Sentimos.

Um pouco dos desejos
Que permaneceram nos
Pensamentos!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Elegia ao Poeta e a Tempestade!





Enquanto dormes na escuridão da Tormenta,
Desprendes-te e deixa teu corpo descansar.
Voas e ganhas um mundo de Paz no azul negro do céu.
Refrigera-te do fogo que te consome.

Em meio às folhas ora úmidas,
Em carícias de amante teus dedos brincam.
Sorris liberto ao vento que te toca!

É madrugada e trouxestes a calmaria das liras
A canção suave dos teus lábios
Sobre o meu corpo trêmulo repousou.

Quem ousaria despertar-me?

E sabes tua Alma o que me acorda
As Noites tempestivas, os pesadelos que me seguem,
A solidão que me consome. Sabes Tu o arquejo dos
 Sentimentos!

Estava silencioso e sereno teu olhar sobre a gota d’água
 ali no canto dos olhos.
Por que choras?
Sabes
Que venho, sei-te as horas, Sou-te alento!

Em compasso de uma dança ensaiada há muito tempo
Teus dedos de candura cerraram na escuridão meu olhar
Abraços se estreitaram na suavidade desse encontro.

Entrecruzados Nossos desejos cuidaram nada perder
Nem uma gota de prazer da boca fugir, antes matar-nos
A sede dos poros antes de partir.

Cá Eternamente vens com os Temporais e me tomas forte
Como os ventos que arrancam gemidos dos galhos.
A ti direi que és Tu!  Que me vens e depois partes.

Retornas, álacre na bonança da aurora

Despertando teu corpo na lembrança do meu!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Você e Eu




Sob a mesma chuva que nos acorda
O mesmo Sol que nos aquece
A mesma Lua que ilumina a Noite

Sob o mesmo céu

Contando Estrelas
Cantamos no ritmo do Silêncio

Sutilmente nos
Preenchemos dos vazios
Que nos cercam

Você e Eu.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Entrelinhas




Permanecemos entre as linhas
Sentindo na pele as Tempestades.

Permanecemos em Nós.

Acordamos um Silêncio
Sussurrado.

Nada falo!

Calamos
Um beijo
Gritando
Desejos.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Momento


Envolve-me o silêncio
Estimo o momento
Infinito

Esse
De tantos Silêncios
Obtenho a graça

Essa de
Sonhar em
Silêncio

domingo, 19 de setembro de 2010

Leio


Li Tuas palavras
Tuas idéias
Teus pensamentos
Tua Alma desnuda.

Sintonia do Amor


Li também o que não escreveu
E esse algo em ti é único
E esse algo sempre me seduzirá!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Movimento




Invento as letras com que te escrevo, entre nuances de azul e sombras, riscos de saudades. Lembranças que a Noite o vento e a névoa meus pensamentos suavemente acariciam, com mil dedos de desejos sonhados.

Meu corpo físico está neste mundo, a minha mente voa célere pelos mundos sutis que nos rodeiam. Mundos diferentes e tão iguais, tão perto, onde nos encontramos. Nas imagens que inventas e que sonhas. Acorda-me!

Em cada movimento com que me desejas, quando desenlaças o pouco que me cobre entre laços de cetim. Na parede a sombra toma forma de um corpo, entre beijos às frases rimam o calor e o ardor.

Por entre as sombras nossos corpos dançam ao sabor das vontades, o calor da boca repousa na sede dos lábios sobre os seios, o prazer se solta em ondas que percorrem o corpo até a Alma.

Permanecemos assim nessa penumbra, nessa dimensão, nesse parágrafo, nesse Sonho.
Abraçados, nesse mágico Movimento que nos Une.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Outro Dia


Com as nuvens
O último arrepio de frio
Segue no infinito azul

O primeiro colorido
Ainda em meio às folhas secas
Despontam
Brotam coloridos
Beijos em Flores

O arrepio é sentir
Teus dedos deslizando
Outra estação de desejos

E

Sorvendo com os lábios
O néctar reservado
Dos desejos
Acumulados

Uma nova estação Vem
Despontam as primeiras cores
Cores dos primeiros desejos
Nessa nova estação

Desejos de gozar
Outra Estação!

sábado, 4 de setembro de 2010

C.A.o.s...


Se existe algo para dizer
Prefiro
Quando o Mundo está de
Cabeça para Baixo!

Assisto-me daqui
De cabeça para baixo!

Prefiro as palavras
Improvisadas às
Retóricas
Camufladas!

Se há algo a dizer
As lições vêm do Caos!

E enquanto brinca com
Os desejos teu mundo
Está pegando Fogo!


Não é fácil
Quando um Sorriso
Revela
Centenas de
Mentiras!

Se há algo a dizer
Por que não anda na Linha!

Azul, Céu, Mar, Azul, Tempo,
Onda, Mundo Azul, passa o Tempo!

Se há algo a dizer
Descobri que
Vejo o Mundo melhor
Agora de cabeça para baixo!

Sobre mim nada de doce
A dizer!


(intertextualidade com a música – Sweet about me – Gabriella Cilmi)

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

...Ainda é Cedo...


Liberto as notas suaves da canção
E a Noite embala o desejo
Ao Vento suave da Emoção.

Ainda é cedo
E a noite nos separa.

E o vento lá fora traz
As Notas Suaves
Da fragrância do Beijo.

Escuta

O silêncio entre as Palavras.

E a música toca
Incessantemente
Nossos anseios.

Ouve a melodia que se espalha
Quase madrugada
E
Ainda é cedo.

Nossos sonhos
Ao Vento
Se Encontram
Se Completam.


Ainda é Cedo!

Deixe que nossos
Corpos se enlacem
Nesse ar que nos Rodeia.

Escuta o Silêncio
Dos espaços vazios
Do Vento suave
Soprando Amor!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Permanece


Havia naquele rito um ritmo, as mãos dançavam entrelaçadas naquele Ritual de Magia.

Seus corpos encontravam na poção do Beijo o feitiço luxuriante do êxtase.

Encontravam-se na escuridão saudades nos braços da Noite.

No Azul intenso do Olhar.

Vimos nesse instante as Estrelas, Mundos Mudos.

Sentimos Sal, Suores, Suaves.

Suaves (a) Mares.

O rito Permaneceu

O mesmo Ritmo

De Magia em Nós!

domingo, 15 de agosto de 2010

Versos Rasgados


Enquanto espero
Visualizo nas linhas abstratas
Um risco de relva e terra.
Relva orvalhada das madrugadas
Terra úmida e fecunda
Esperando a Primavera...

...enquanto espero sou metal esquecido no tempo, sob o sol, Vento, luar...

...enquanto espero sou luzeiro na imensidade dos sentimentos, sou reflexo da Tua Luz...

...enquanto espero vou colando versos rasgados na pele nua...

...enquanto espero um mundo surreal vai tomando forma, nascendo e crescendo em mim...




(minhas linhas são livres e meus sentimentos reféns!)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

~\|\|\~ rabiscando aMoR~ \|\|\~





Penetram meu Ser
Expressões Humanas tatuadas nas Paredes
Nosso Olhar desenha na solidão o desejo de aMar

Você

[Existem nas paredes
expressões humanas
tatuadas no olhar]

Penso

...Construções de paredes separando emoções
Medos dos sentimentos
Emparedados,
Concretados,
Amalgamados...

...Sempre uma barreira.

Divago

(Amar é romper barreiras, derrubar muros, permitir a proximidade...)

Você

[Le supplice est sûr.]

Suspiro!

...Je sais

Respiro!

Você

[E nas paredes
existem grafadas
expressões "humanas"]

Expiro!

...Eu sei..

Permito-me

...falo com as Paredes meus devaneios.

Experimento

...ligar os pontos, unir fragmentos, exercitar.

Você

[É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado. *]

Lembro-me

... Amor e Dor
Rimam nossos sentimentos
E
Sinuosos seguem os dias
Em cada curva um outro momento

Quase parar
Quase aMar.

Sonhava

(...mergulhava naquele céu infinito azul. Abstraia um mundo de palavras imaginadas, entre formas concretas, metáforas ondulavam e vibravam ...)
Os sinos dos Ventos acordaram-me os acordes dessa Nota, som de (a)Mar.

Você

["Um exercício
de inspirar e expirar
respirar e suspirar
dedilho
um sinal
ondulações e vibrações
AR]”

Vibro Leve AR /Mar/AmAr/amAR

Você

[Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar...]**

Regresso

Voo nesse céu infinito azul
E meus sonhos criam raízes
Permanecem nesse exercício
Nesse azul, sonhar, AmAR!

Você

[“Amar é romper barreiras
derrubar muros
permitir a proximidade"
curvar-se”]

Construo imagens na Mente

...curvar-se, dobrar-se, encaixar-se...
Movimentar-se nessa dança ondulante das palavras...

Você

[“Amar é não temer fronteiras.”] ***


Rabiscamos
Nas Paredes
Sentimentos
De Amor!


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
*Guimarães Rosa
** Dalai Lama
*** Paredes - http://paredes-paredes.blogspot.com/

(Letras inspiradas nas imagens da Solidão – mARa)

sexta-feira, 30 de julho de 2010

...vou ficar aqui


Nesse diálogo mudo que trocamos
Há o som expresso dos desejos que Sonhamos
Melodias sussurradas na Saudade que ficou

Nessa Noite vou esperar a madrugada adormecer
E suave como o beijo do orvalho na relva
Teus lábios imaginados de leve tocar

Vou ficar aqui desenhando teu rosto com os dedos
Delineando teu corpo com os lábios
Rabiscando meus sentimentos de Amor

Escrevendo vou vencendo a distância
Em cada verso branco vou matizando
Um caminho de regresso

Todo amor que Sinto vai iluminando a Vida
Vou rabiscando risos e alegrias

Eu
Vou ficar Aqui.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Relógio do Amor




Gosto das horas marcadas

Sou prisioneira dos Minutos

Quando me prende em Seus desejos

Liberta-me



E a cada volta dos Ponteiros esperamos

Que chegue àquela hora marcada!


quarta-feira, 16 de junho de 2010

Encontro


Acima das brumas longe dos olhares profanos, um castelo de mil janelas de Sonhos, um caminho de flores azuis adentra os portais da nossa Alma. Recanto de exílio, distância que nos aproxima nesses voos.

Ao som do Silêncio do Amor.

Andamos em meio ao silêncio, ouvindo a voz da Saudade, recanto secreto dentro de Nós. Aqui te encontro quando tua voz de Silêncios meus sentimentos chamam. Selamos com beijos esses segundos, um último e doce roçar de lábios, um último olhar de contentamento, nesse encontro além do corpo.

Exilados e ilhados no tempo.

Não há adeus vivemos a certeza do sonho! Fechamos os olhos e voamos nos vãos das palavras escritas, entre um segundo e outro dia. Adormecemos abraçados em pensamentos, permanecemos Juntos em cada fase que passa.

Protege-me em tuas asas de Anjo.

Alça voo ao teu céu, fica no corpo a certeza selada na vontade da boca. Nunca dizemos adeus, não desistimos dos Sonhos.

Nesse exílio de Nós.

domingo, 6 de junho de 2010

Nós


Em algum lugar na madrugada estamos
Abrasados em silêncios
Abraçados em lembranças.

Despertos no vazio do quarto
Ausentes e tão Presentes em Nós.

Acorda-me nesses dias
Todos os segundos vividos.

Instantes romantizados
Sorrisos banais
Qualquer bobeira.

Tua ausência nas minhas Noites
Presença que me acorda
Delineia minha Alma.

Desperta-me o
Sentido da Solidão.

terça-feira, 25 de maio de 2010

Tempo


...quase Inverno
quase Frio...
...o dia quase Chuva
Eu, quase Só:

Rio!

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Gotas brilhantes na Noite


Gostava de tantas coisas
dessas que se pode sonhar
Chuva de leve na face
Ventos de Pensamentos.

Cheiro de Relva Molhada
Saudade desfolheada!

Casulos de Segredos que
Eclodem Coloridas Borboletas
Que escolhem jardins floridos
Pra Voar.


Gostava da Espera
Da Promessa de Voltar
Gostava do Olhar
Da Esperança de Chegar!

Gostava da chuva nas Noites
Brilhando gotas na madrugada
Chuvas de Lembranças
Delineando nossos Sonhos
Descobrindo nossos Segredos
Molhando nossos Desejos!

Chove Fria a Noite
Os Pensamentos
Brilham Gotas na Face!

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Outra Noite


Cada átomo do meu corpo
Sente tua Alma
Traz espasmos que tocam
Meu Sentir.

Toda Noite essa espera
Materializa Meu Amor

E Pela manhã
Tenho na Pele
Teu Cheiro
Nos Lábios
Teus Lábios.

Sensações!

Virá outra Noite
E outra
E ainda
Outra
E Sempre.

Outra
Noite!

terça-feira, 13 de abril de 2010

Intervalos



Entre os espaços das palavras
Existem silêncios que me fazem
Entender o que Somos
E nesses Intervalos
Estamos
Envoltos
Em Amor
Esquecimento
Em Paz
Em Silencio
E Sinto que Eu Sou.
E Sinto que ÉS.

Amor!




CÁlido dEsejo.

Queria enfeitar um Dia
Com todas as pétalas macias
De flores sem fim

De jardins secretos e afins e enfim
Tudo que pudesse te refazer
Relaxar
Algo assim

Deslizar teu corpo com óleos essenciais
E
Que fosse essencial meu toque em ti

Percorrendo teus dedos um a um
Tuas pernas
Teu pescoço
Todo teu SeR

Queria algo Meigo e tão meu
E
Que isso fosse Todo Você.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Sem Pressa


Já tive pressa na ânsia de outro dia te encontrar,
percorri um labirinto, me perdi. Tanta pressa que consumia as madrugadas em febre, meus sonhos ardiam nessa temperatura marcada em qualquer tempo de espera.

A febre passou, o Tempo passou, a ausência, o amor, tudo passou.

Respirei-te desde o ventre, sentindo-te em cada molécula do meu ser, respiração acelerada, memória ofegante de espera.

Perde-se a noção e o rumo nesse mundo mudo, não há palavras, nem final, são tuas reticencias, pontos após outro e outro, infinitamente os pontos desenham possíveis imagens de tantos Você.

Sustento meus medos, minhas tempestades, meus desatinos, outras saudades.

Fico bem aqui nessa Noite ouvindo o som do Universo se propagar, dentro desse corpo que abriga um lento desejo de outra vez encontrar teus dedos no etéreo unindo-se aos meus, um a um até que nossas mãos se encontrem num toque de carinho depois de tantas horas.

Já não tenho pressa
Quero Respirar
Essa Calma que
Emana Esse Amor
Que não termina no
Ato E continua e
Segue dia após dia
Segue!

terça-feira, 23 de março de 2010

Contemplação Outonal




Na imensidão azul do horizonte
Vejo nuvens tingidas de dourado
Riscos brilham penetrando os claros flocos espalhados no céu
Oceano da madrugada

Em breve será manhã
Deixo-me ficar nessa escura estrada silenciosa
Eu e a sombra do bosque

Percebo o som que corta em raios estrondosos
O Tempo que me envolve
Sozinha nas horas os minutos deslizam suaves sensações
Que percorrem esse frio ruidoso
De uma tempestade anunciada

Na distância uma Vida acende um aceno que brilha Luz
Um farol e um breve sinal
O Tempo parou um segundo e nada sou
Um empecilho no caminho admirando a aurora
Puxada por corcéis de oiro logo será manhã outonal

Tento a velocidade em busca da felicidade
Chego a mim
É Outono
O colorido da estação que passou
Deixou marcas indeléveis na Alma
Lembranças tatuadas nos lábios

Alguém Amou!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Permanece




Um leve torpor da realidade
Um leve sabor na boca
Gosto de Verdade
Do que ficou
Entre Eu e Você.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Fim


Entendo agora o movimento das Estações que vêm e que vão
Envolta na canção desse Tempo
Entendo nossos sonhos num momento sem razão.

Desenho na fumaça do incenso
Um último devaneio das lembranças virando cinza
Suspiro derradeiro do Verão que por Nós passou.

O abraço rodeando nossos corpos no silêncio dos lábios
No ritmo do desejo, na canção suspirada
Sorvíamos os segundos com sede de saudades.

Primavera anunciando tardes
Coloridas de Verão. Seguem as estações
Plantamos sementes de Sonhos esperando outro dia.

Fim de Verão, as flores caem debruam a rua de cores
As folhas recostadas na sarjeta anunciam um
Outono amarelando meus dias
Outra Estação nos espera.

Passamos ou ficamos olhando o voo das Horas
Nada mais importa se tudo passou.
Inverno de garoa gelada, branco geada na relva, paredes frias
Amparavam nossos corpos na solidão de um beijo roubado.

Percebemos ainda o movimento que fazemos em cada Estação
Brotamos em amor, Vivemos em amor e Morremos em Amor
A cada Nova Estação.

domingo, 7 de março de 2010

Escreva-me



Hoje os versos mais Lindos do Ontem
Advinha-me a prosa
Segredos de alcova.

Traga-me
um Trago doce nos lábios de Mel!

Ao fim com os dedos Repletos
Desenhe teus desejos
Secretos na pele minha.

Marcadas notas
Da Nossa Voz
Ditas nas lacunas dos Dias.

Preenche todos os dias
Aquele papel branco sobre
a Mesa.

Depois
Apague!

sexta-feira, 5 de março de 2010

Confesso



As vezes tenho medo de dormir
E nos meus sonhos você
aparecer

confesso...

se sonhar e teu beijo
marcar um gosto de
desejo

decerto desejas
ainda os sonhos
os beijos

corri virando as páginas da agenda
adiantava as folhas como se

adiantasse
se adiantasse...

nas águas tepidas
nas vagas
na solidão
nas tantas horas
madrugadas

Envolvia-me o azul das paredes
dos lençois intactos de você.

Abraçava meus devaneios nas manhãs
esperava que pudesse e se pudesse
esperar um tempo mais

talvez falassemos das águas
das horas, das madrugadas

ou se o lençol azul
desenhasse os desejos
do teu olhar no meu...

confesso...







domingo, 28 de fevereiro de 2010

passava



Nessa imensidão nublado do mundo permaneço no Silencio da Noite,
 envolta nas  brumas do Tempo, e dos fragmentos
Lembranças Minhas
fantasias das marcas
deixadas no peito.

Os pensamentos sussurram formas no afago da alma
anunciam tua presença, no toque cadenciado dos teus dedos
segurando meus gemidos.

Na imensidão do inverno, sem palavras
ouviamos a chuva tocar o dia lá fora
escorrendo sem pressa molhando as horas

Ouviamos o relógio que logo despertaria
sem nenhuma palavra, sem chuva, sem frio
apenas o silêncio da noite
os fragmentos do Tempo...

todos meus!

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Silenciosas Águas


A Noite
As Palavras
Sonham
Nas Manhãs
FICAM
Truncado
E Tarde
As Palavras
Calam
Mudo
Gritantes
Ensurdecedoras

Ao Fim
Tranqüilidade Águas
Escalas de avaliação de deslizamento
Prateadas sobre
Pedras
Você íngreme
Enrolamento
Seguem

Em espumas macias
Tão alta Caem
Na é
Formam Brilhantes
Lágrimas doze
Águas que
Seguem

Palavras Tranquilo truncados
Seguem Águas Doces sem Olhar
Pedras desafiador como fazer Leito
Seguem rumo ao marco

domingo, 31 de janeiro de 2010

Quietude



Na quietude das palavras
na traquilidade delas
Espreitava-me um ruído
inquieto
sílabas barulhentas de prazer
esfregando lembranças
na Pele.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

uma história pra contar


Trazia na  Bagagem Antiga  um embrulho com fitas uma história colorida, tantas letras desenhadas
de Emoções que agitavam Lembranças
 memórias de alegrias  cintilantes e Esperança.
Onde brevemente para Eo Felicidade lacunas preenchiam entre amor como A Noite e outra Noite. Localidade: Não sabia que não era Rosto dar um Sorriso, Esperava que Fosse um SUA ou Seu Sorriso Bagagem Realidade uma SUA, SUA chegada jogo ou.
Localidade: Não importava ou Tempo, ou Relógio, Esperava ali, ou atraso Esperava fazer VOO. Ali Permaneceu esperado que fazer a seguir VOO. Nas Mãos Segurava Abstrato utópico Quase hum Sentimento especial Absolutamente nada.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Amante do Vento.




Eu PES tocavam ou verde dá relva sentado soluço da Noite uma sombra, uma leve brisa parecia Tão carinho de sopro hum nd Pele. Céu wk Estrelas, Nuvens abraçadas orgia pintavam núcleos los Sonhos da Noite na roupa. Rua los Meio um galpão Solidão.
Senti Beijo do Vento ou não Ombro percorrendo MEUS Braços das Pernas AO Longo, e como macios lábios de Pescoço, eu seios intumescidos TEUs AO jogar dois dedos. Dois MEUS Cabelos QUALQUÉR hum Seu cheiro almiscarado cio Quente arrancou suspiro. Um suspiro lembrado Longo dois lábios. Um entorpecente na rua Escuridão. Tornei-amante eu faço Vento.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Despertar


Deixe-me partir em busca de Mim
Pois me perdi nessa busca de Você.

Deixe-me recolher os fragmentos
Pois preciso entender meus sentimentos.

Deixe-me secar as lágrimas
Preciso enxergar um novo Horizonte.

Deixe-me partir
Para que eu possa
Ser Feliz.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Silêncio



Quisera Palavra gostam de ser assim Acorda TEUs
QUEM dera pudesse ter Mais Palavras tão bonito
A você concorda
QUANDO A Noite você envolverão
Brilho Gostava ser ou você ama despe
AINDA cegueira que escuridao NAS OS Olhos incertezas
Ilusão das Na Palavras como [em] verdades Vies da Razão
AINDA ASSIM desenlaço Palavras como duas linhas
Roubo-te das ou arroubo Lembranças
Em hum ritmo miseráveis ​​migalhas QUALQUÉR
Como Palavras debruam QUALQUÉR outra canção
De Na mesquinhez dois lábios fechados
Dois Punhos Apertados contra ou corporativa
Não cansaço Das Palavras
Ou gritar silêncios esperados.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Silêncio da Madrugada


O silêncio é a companhia que Noite após noite me abraça em nuvens de lembranças. Nessas noites a alma se veste de sonhos, te desenho no brilho dos desejos na loucura dos meus devaneios. Amo-te assim na imensidão da madrugada.

Estás aqui em cada instante dos teus silêncios, abraças-me o corpo com abraços de saudades, deslizas movimentos guardados no teu corpo em caricias trêmulas de teus lábios em êxtase. Faz-me Amor no silencio da realidade.

Nesse Silêncio nossa voz se faz de pensamentos, e nossos olhares navegam nas profundezas do nosso sentir, sorvemos o gosto doce da boca nesse beijo morno na Sombra da Noite. Libertamos-nos e assim nos Amamos.

Permanecemos abraçados envoltos na brisa quente desse instante embalados ao som da madrugada, na sombra ficamos e logo será manhã de Saudades.